quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

By Neiva B. Bridi

O tempo

Buscamos no tempo soluções para as dores
Passamos muito tempo pensando em amores
Às vezes pedimos pro tempo parar
Muitas vezes corremos para o tempo recuperar

O tempo cura cicatrizes e ansiedades
O tempo passa e não leva saudades
O tempo se faz dono de tudo
Ele tem o poder de mudar o mundo

Pedimos um tempo para arrumar a vida
Choramos por muito tempo uma despedida
O tempo te trás esperanças
Ele nunca apaga boas lembranças

Hoje tirei um tempo pra reclamar
Amanhã não terei tempo pra respirar
Hoje o tempo não passa, ele voa
Um dia terei tempo pra ficar a toa

Muitos desperdiçam tempo precioso não fazendo nada
Para alguns falta tempo para fazer o tudo
Outros perdem tempo fazendo maldade
Quanto tempo ainda resta para humanidade

Por quanto tempo ainda perderemos a calma
Tire um tempo pra lavar a alma
O tempo está ficando curto para mim
Demore o tempo que for nos encontraremos no fim.

Neiva B. Bridi

Por Neiva B. Bridi

Eu tenho perguntas....

Se o fogo queimasse todas as dores?
Se o amor não fosse tão egoísta?
Se as paixões fossem eternas?
Se a escuridão ficasse calada?
Se o abismo tivesse fim?
E se o fim tivesse uma chance?

Se meus gritos quebrassem o muro acústico?
Se você ouvisse o que o silêncio te diz?
E se não precisasse esperar até a noite para ver as estrelas?
Se a verdade for mais uma grande mentira?
Se teu cego coração impede de ver o que é puro e nítido?
Se a certeza pudesse deletar todas as dúvidas?

E se o medo não te cobrasse nada?
Se a inocência e a pureza não existissem?
Se o pecado fosse banido?
E se ninguém encontrar a paz que tanto procura?
Se o poeta ocultasse seus verdadeiros sentimentos?
Se as lembranças não existissem?

Se eu não tiver resposta alguma?
Ou se as perguntas ja fossem as respostas?

Neiva B. Bridi

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Continuação

     Sem direção!

     Olhos iluminados, afogados,
     Claros na escuridão,
     Barcos navegantes
     À deriva sem direção,

    Vidas da vida sem Vida
    Respira o pó da desilusão,
    Somos homens fantoches
    Trilhando um caminho
    Sem direção.


                                                                  Breno Miranda